Publicidade

O gato angorá

14 de fevereiro, 2017 às 14:13 - por João Eichbaum

Crédito: Reprodução/Internet

O gato angorá turco é uma espécie muito valiosa de felino. Elegante, bonito, derramando um olhar de quem não tá nem aí para entes inferiores, ele é municiado de jeitos e trejeitos que o tornam saliente em exposições de raças. Vendido em leilões, pode render cifras que só banqueiros conhecem.

O apelido de Gato Angorá, atribuído ao senhor Moreira Franco, não é obra da Odebrecht. Os direitos autorais são de Leonel Brizola. Casado com uma neta de Getúlio Vargas, a pessoa do referido Moreira Franco está em todas as rodinhas que dominam a política neste país. A cabeleira densa e cor de neve, onde o rosto quase se esconde, faz lembrar exatamente o branco peludo de um gato angorá.

Mas, além disso, tal qual gato angorá, que tem apreço em acomodar fundilhos e demais partes subalternas em regaços avantajados de madames, Moreira Franco anda de colo em colo, mas sempre no colo do partido que está no poder. No poder, ele se ajeita muito à vontade, porque montado no poder ele pode mostrar para o mundo aquele olhar de quem não ta nem aí, que o gato angorá tem.

Parece que a raça felina é uma das preferidas do Michel Temer. Além de ser casado com uma fêmea de belos traços e corpo bem desenhado, tipo desses a que o vulgo costuma chamar pelo mimoso despaupério de gata, por causa das curvas que as partes de cima fazem para emendar com as partes debaixo, o presidente anda muito chegado ao dito angorá.

Estavam os dois, o Gato Angorá e o Temer, no velório do Teori Zawaki, finado no mar maravilhoso de Angra dos Reis. Depois do enterro viajaram para Brasília e, de longe, a imprensa tirou retrato de corpo presente deles, no pátio do palácio Jaburu, em companhia do ubíquo Gilmar Mendes. Não podia ser reunião de trabalho, porque o Executivo não trabalha junto com Judiciário, nem vice-versa. Encontro de amigos, para jogar conversa fora, tomando cachaça com mel, num domingo de tarde?

Nada se sabe. Quer dizer, nada que represente certeza. Mas, que dá para tirar lascas proveitosas desse encontro, dá. O assunto do momento era o sucessor de Teori Zawaski no Supremo. Bem que podia ser isso que tratavam. Mas, de repente, quem apareceu nas manchetes mesmo foi a Carmen Lúcia, anunciando a aproximação do juízo final, com a homologação das delações da Odebrecht.

Aí as coisas andaram rapidamente. O Gato Angorá entrou para a folha de pagamento dos ministérios, de modo a não ser vistoriado pelo juiz Sérgio Moro. O ministro da Justiça foi encaminhado para vestir toga do Supremo e o Maia botou em regime de urgência a votação da lei que mantém enroscadas em artigos e parágrafos as ilegalidades praticadas por partidos políticos, misturando verbas com propinas, para amamentar candidaturas.

No ministério do Temer, o Gato Angorá poderá manter seu pelo íntegro, a salvo das garras e demais enquadramentos do Sérgio Moro. E por via das dúvidas, o Alexandre Moraes, como revisor no plenário do STF, quando lá chegarem os autos e apensos da Lava Jato, poderá fornecer oxigênio, para que a turma do governo respire aliviada. Nada que uma reunião depois de um velório não resolva.

 

 

Autor

João Eichbaum

Publicidade

[RoyalSlider Error] Slides are missing.

2016 - Todos os direitos Reservados