Publicidade

O torturador coronel Ustra e o filme que o Vice-Mourão deveria ver – por Mário Sabino

09 de outubro, 2020 às 19:29 - por Redação do www.visaodovalesl.com.br

O vice-presidente Hamilton Mourão insiste em elogiar o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, condenado em 2008 por sequestro e tortura cometidos durante o regime militar e que morreu de câncer sete anos depois, sem cumprir pena nenhuma. Como publicamos, Mourão disse o seguinte, em entrevista à Deutsche Welle:

Coronel Ustra , torturador na ditadura militar

“O que eu posso dizer sobre o homem Carlos Alberto Brilhante Ustra é que ele foi meu oficial comandante durante o final dos anos 70 e ele foi um homem de honra que respeitava os direitos humanos de seus subordinados. Então, muitas das coisas que as pessoas falam dele posso dizer porque tive amizade muito próxima com ele não são verdade.”

A frase de Mourão me fez lembrar como o ditador italiano Benito Mussolini podia também ser afável. Ele costumava, por exemplo, bater papo com o porteiro do Palazzo Venezia, em Roma, de cujo balcão fazia os seus discursos furibundos para uma multidão delirante. Mussolini descia até a portaria e lá ficava contando e ouvindo casos e piadas. Um homem de honra que respeitava os direitos humanos do porteiro.

Lembrei-me principalmente de um filme a que assisti muitos anos atrás, já não me lembro onde, intitulado As Confissões de Winifred Wagner, do diretor alemão Hans-Juergen Syberberg. Winifred era a viúva de Siegfried, filho de Richard Wagner, o compositor erudito admirado pelo ditador Adolf Hitler e que serviu de trilha sonora ao terror nazista. Lançado em 1975, trata-se de um documentário com cinco horas de duração, durante as quais ela é entrevistada por Syberberg. Foi a primeira entrevista dada por Winifred. Na maior parte do tempo, ela permanece enquadrada em close, depondo para uma câmara parada. Com riqueza de detalhes, fala sobre a música do sogro, a cultura alemã e a sua amizade com Hitler, estimulada por  perguntas breves feitas pela voz em off. Dito assim, parece monótono. Não é, garanto.

Winifred, então com 78 anos, não discorre sobre as atrocidades do ditador nazista ou a elas faz qualquer referência. O seu assunto é o ser gentil, patrono das artes, que “tinha aquele perfeito calor e compreensão austríacos” e via no Festival de Bayreuth, organizado por ela, uma merecida celebração da música divina de Wagner.

No início do filme, ao ouvi-la, você acha que se trata de uma cínica. Winifred, contudo, não é uma cínica. Ao longo de 22 anos de amizade com Hitler, ela realmente não enxergou o monstro, mas apenas o homem apaixonado por Wagner e, por extensão, pela sua família. A única vez em que é instada a criticar Hitler como governante, ela diz que ele era muito influenciável e acabou sucumbindo a “demandas radicais”.

Enquanto se ouve Winifred, uma senhora que poderia ser a sua avó, o contraste entre a história que ela conta e a história que realmente aconteceu vai se acentuando na mente do espectador — e você começa a entender, chocado diante de constatação terrível, o que é também o horror. O horror é recusar-se a ver, como fizeram os alemães sob Hitler. Mais precisamente, o horror é recortar a realidade em pedaços estanques e ficar com alguns e descartar os outros sem examiná-los, como fez Winifred.

O filme de Syberberg é, para mim, tão assustador quanto os documentários que mostram as imagens dos campos de concentração nazistas, porque mostra o que se operou no íntimo dos cidadãos da Alemanha de Hitler para que o extermínio de milhões de homens, mulheres e crianças pudesse ter sido levado a cabo.

Eu recomendaria ao vice-presidente Hamilton Mourão assistir a As Confissões de Winifred Wagner. Monstros, não importa a dimensão ou ideologia deles, podem parecer honrados e ser gentis com quem os cerca.

Mario Sabino é jornalista e escritor, foi redator-chefe da revista Veja até o final de 2011 e atualmente escreve em para o site de direita O Antagonista. 

 

Publicidade

[RoyalSlider Error] Slides are missing.

2016 - Todos os direitos Reservados